LUSTOZA
AGROLOGÍSTICA

o terminal da Lustoza Agrologística deixará de ser apenas uma área de transbordo rodoviário e passa a ser também um terminal de cargas ferroviárias.

LUSTOZA
AGROLOGÍSTICA

o terminal da Lustoza Agrologística deixará de ser apenas uma área de transbordo rodoviário e passa a ser também um terminal de cargas ferroviárias.

LUGAR IDEAL PARA
ARMAZENAMENTO

DE PRODUTOS A GRANEL

mantemos os grãos secos de modo a evitar a sua deterioração.
O Banco do Brasil cresceu 3,6%

Fique por dentro dos
INDICADORES

Acesse esta página e fique por dentro sobre os indicadores em tempo real, de acordo com o mercado financeiro. 



Indicadores

>
BANNER SITE 5

Indicadores Soja

BANNER SITE 7
  



BANNER SITE 8

Indicadores Trigo

 


BANNER SITE 3
BANNER SITE 222
BANNER SITE 2

SEJA BEM-VINDO!
CONHEÇA UM POUCO SOBRE A LUSTOZA AGROLOGÍSTICA

Infraestrutura e Logistica – Terminal privado investe R$ 9,3 milhões na unidade da Ferroeste em Guarapuava

Começa a ser construído mais um terminal privado no anexo da unidade ferroviária da Ferroeste, em Guarapuava. O projeto da Lustoza Agrologística exigirá recursos de R$ 9,3 milhões e parte da obra, no valor de R$ 1,3 milhão, inclusive o ramal ferroviário, já está pronta. “A capacidade de estocagem de grãos será de 25,2 mil toneladas quando o empreendimento estiver concluído, em 2016”, informou o presidente da Ferroeste, João Vicente Bresolin Araujo.A partir de agora o terminal da Lustoza Agrologística deixa de ser apenas uma área de transbordo rodoviário e passa a ser também um terminal de cargas ferroviárias. “Assim se integra ao complexo logístico da Ferroeste em Guarapuava”, explica o engenheiro Rodrigo César de Oliveira, diretor de produção da ferrovia.

A obra, construída com capital privado, faz parte da reestruturação das operações no pátio ferroviário de Guarapuava. A construção do novo ramal permite ganho no giro das locomotivas no retorno a Cascavel. “Esse projeto representa um ganho significativo para nossa operação”, observa Oliveira. “Antes, para fazer o giro, nossos trens tinham que se deslocar dez quilômetros fora do pátio de manobras”. Segundo ele, isso representa economia média de uma hora no ciclo de locomotivas.

INVESTIMENTOS – Até agora foram investidos aproximadamente R$ 3 milhões no projeto, que contempla o ramal de 500 metros, dois silos para 3.600 toneladas e duas moegas, elevadores, balança, escritórios e pavimentação.

No prazo de dois meses serão concluídos os investimentos de outros R$ 2,6 milhões na segunda parte do projeto. Devem estar concluídos mais três silos para 10.800 toneladas e uma tulha de 160 toneladas. Também estará pronta a instalação de uma correia transportadora de grãos com a extensão de 80 metros, além de moega e balança rodoferroviária (R$ 420 mil).

Até 2016, serão implantados mais três silos com capacidade total de 10.800 toneladas. A previsão é construir um barracão de 3.500 m² para descarga e um pátio de 47.000m² para contêineres. O investimento nesta terceira fase é de R$ 4 milhões.

COTRIGUAÇU – No primeiro trimestre deste ano, outro grande projeto já havia sido inaugurado no Terminal de Cascavel. A Cotriguaçu investiu R$ 40 milhões na primeira fase de seu terminal. A execução do ramal ferroviário, que faz parte do projeto, contou com assessoria da Ferroeste. O investimento no ramal, que tem capacidade de carga de até 80 contêineres por dia, foi de R$ 425,5 mil.

Quando o projeto da Cotriguaçu estiver concluído aproximadamente R$ 200 milhões terão sido investidos. A primeira etapa do terminal gerou 90 empregos diretos e 280 indiretos. A obra da Cotriguaçu (Coopavel, C. Vale, Copacol e Lar) é a primeira etapa de um dos maiores projetos logísticos de armazenamento e transporte de cargas frigorificadas e contêineres do país. 

Fonte5 de outubro de 2013  | http://jornalmeuparana.com.br/site/?p=62111